Sete azeites de oliva gaúchos que você vai adorar conhecer


Ele vai bem na salada, na pizza, na bruschetta, no risoto e em tantos outros pratos. Até em sobremesas, você sabia? Embora o azeite – e vale destacar que azeite é de oliva, os demais são óleos - seja popular há milhares de anos, aqui no Brasil ainda é pouco consumido. A estimativa do Conselho Oleícola Internacional é de que no Brasil o consumo médio per capita ano seja de cerca de 400 ml. Pouco, mas é um produto cujo interesse dos brasileiros vem crescendo. Tanto é que a produção nacional também vem chamando a atenção. Atualmente no Brasil são mais de 6.500 hectares plantados. Até 2020 a expectativa é chegar aos 10 mil hectares plantados e até 2025 a 20 mil hectares, segundo dados do Instituto Brasileiro de Olivicultura – Ibraoliva, que é a associação que reúne toda a cadeia oleícola do Brasil. Ainda segundo a entidade, a safra de azeite de 2019 ficou em torno de 240 mil litros no Brasil, sendo, aproximadamente, 190 mil litros no RS, estado no qual a produção vem ganhando destaque, juntamente com a qualidade dos produtos. A colheita das olivas acontece entre os meses de fevereiro e março. Abaixo selecionamos sete azeites de oliva gaúchos que você deve conhecer! A maioria das empresas possui loja online! (Foto/Tatiana Cavagnolli)

Azeite Batalha

O Azeite Batalha é o maior produtor brasileiro de azeite de oliva. Em 2019 a empresa alcançou um recorde histórico de produção no Brasil, superando os 500.000 kg de azeitonas processadas. A fazenda está localizada na Estância Guarda Velha, situada no município de Pinheiro Machado/RS. A empresa coleciona prêmios, muito deles conquistados no exterior, como na Itália, Espanha, Inglaterra, Israel, Argentina, além do Brasil.

Intenso

Blend das variedades Koroneiki, Coratina, Frantoio e Manzanill.

Notas florais com percepções olfativas complexas que vão desde grama recém-cortada, ervas aromáticas (tomilho, orégano), com tomate e frutas (cítricos e melão). É apreciada a alta fluidez na boca, onde mostra uma estrutura agradável, com níveis de amargor e pimenta malagueta amarga e picante alto e persistente. Completa o perfil uma sensação de frutas secas (noz) e alcachofra no fechamento.

Casa Gabriel Rodrigues

A Fazenda Passo do Jacaré, propriedade rural situada em São Gabriel, RS, é da família Rodrigues da Cunha desde o final do século 18. Há mais de 40 anos, a fazenda prospera na produção de sola, arroz, extração de madeira e na ovinocultura. O local também é destinado ao cultivo de oliveiras, dando vazão a mais uma paixão da família: o azeite extravirgem. O nome Casa Gabriel Rodrigues remete ao bisavô de Marco, que se chamava Gabriel José Rodrigues, neto de imigrantes portugueses açorianos e primeiro proprietário da fazenda. O nome do azeite, então, é uma homenagem ao seu legado. Em 2019, a empresa traz ao mercado sua primeira safra comercial, um azeite elaborado com a variedade Koroneike.

Koroneike Casa Gabriel Rodrigues

Com 0,19% de acidez, o azeite foi elaborado com os frutos colhidos ainda verdes, resultando num produto com ainda mais aroma, sabor picante e amargo. Predominantemente herbáceo, tem toques de nozes e aroma de grama recém cortada.

Agroindústria Oliva RS

A Agroindústria Oliva RS começou a ser constituída no ano de 2015 por seu fundador e idealizador do projeto de olivicultura na Serra gaúcha, Rodrigo Sgorla. O objetivo era cultivar azeitonas e produzir azeite de oliva de excelência. A Oliva RS está localizada na região da Rota das Tropas, localidade do Capão Alto, Cazuza Ferreira, São Francisco de Paula, Rio Grande do Sul. A produção teve início em 2019 com o lançamento do Azeite de Oliva Extra Virgem La Pataca.

Azeite de Oliva Extra Virgem La Pataca

O Azeite de Oliva Extra Virgem La Pataca, safra 2019, é o primeiro azeite de oliva registrado como Extra Virgem da Serra Gaúcha. É composto pelas espanholas Arbequina, Arbosana e a grega Koroneiki, resultando em um Blend frutado intenso, com equilíbrio entre picante e amargo, com aroma de grama recém cortada. Possui 0,1% de acidez.

Olivas do Sul

A Olivas do Sul foi criada em 2006 na cidade de Cachoeira do Sul – RS com o objetivo de produzir em solo brasileiro um azeite extravirgem de qualidade superior. O primeiro azeite produzido e comercializado pela empresa foi extraído em 2010 de frutas frescas das variedades Arbequina e Arbosana. Desde então, a colheita das azeitonas é feita manualmente, lavadas e processadas em menos de 12 horas. Depois da extração, o azeite é mantido em tanques de inox em ambiente climatizado à temperatura entre 16 a 18ºC até a comercialização. A grande atenção que a Olivas do Sul dedica aos seus produtos asseguram a mais alta qualidade em azeites do mercado. A Olivas do Sul possui hoje 6 tipos de produtos: os varietais Arbequina, Arbosana, Koronieki e Coratina e também 2 blends – Blend Riserva d’Oro e Blend Oliveiras Centenárias.

Monovarietal Arbequina

Variedade espanhola, possui um frutado suave de características herbácea, seu aroma remete a grama fresca recém cortada e amêndoas, com notas de amargo e picante que possuem uma intensidade leve.

Prosperato

Através da Tecnoplanta, conceituada empresa no ramo de produção de mudas florestais, a Prosperato iniciou a produção de mudas de Oliveira na cidade de Barra do Ribeiro/RS, em 2011, e consequente implantação dos primeiros olivais naquela região. Com a aquisição de um olival já em produção na cidade de Caçapava do Sul/RS no ano seguinte, a empresa conseguiu adiantar nosso projeto de produção de azeite de oliva, tendo, em 2013, a primeira safra produzida e comercializada com a marca Prosperato. Neste curto período de elaboração de azeites no Brasil, a Prosperato já é conhecida por apresentar ao mercado um azeite de oliva de alta qualidade, verdadeiramente extra virgem, tendo obtido diversas premiações nacionais e internacionais.