Murano e Burano: o que conhecer e como chegar nas ilhas venezianas



Andreia Debon, de Treviso, Itália - @andreiadebon


A Itália está presente nos sonhos de viagem de muita gente. E Veneza, no Vêneto, é um dos destinos mais procurados na hora de fazer um roteiro pelo Norte do país europeu. Mas, caso você já conheça Veneza, como foi o meu caso, ou tenha mais de um dia o qual possa incluir mais dois lugarejos próximos, a sugestão é ir para Murano e Burano, duas ilhas com características ímpares e um tanto intrigantes.


Veneza fica a meia hora de trem de Treviso (cidade a qual estou residindo). Então, ir até Murano e Burano foi a opção para um passeio de sábado. Aquelas casinhas coloridas de Burano e os belíssimos vidros de Murano já estavam no meu imaginário de turista há algum tempo. E agora residindo na Europa ficou mas fácil!


Vaporetto é a única opção de transporte.


Ao chegar na estação Santa Lucia, em Veneza, a primeira coisa a se fazer é comprar um ingresso no vaporetto. O custo é 20 euros (valor referente a dezembro de 2021) e você tem acesso livre as duas ilhas, isto é, pode ir e vir durante todo o dia. Não é um valor acessível, na minha opinião, mas não há outro meio a se chegar lá a não ser esse. Mas vale cada centavo!


Vista de Murano de cima de uma das pontes.


A primeira parada depois de mais ou menos 20 minutos de vaporetto foi Murano (tem pouco mais de quatro mil habitantes), ilha famosa em todo o mundo pela tradição na produção de vidros.



No pequeno vilarejo se encontram diversos laboratórios e antigas manufaturas, onde é possível admirar a técnica original e artesanal de fazer os vidros. Há diversos artesãos que fazem a demonstração da técnica, alguns até gratuitamente.



O grande boom de riqueza de Murano aconteceu a partir de 1291, quando todas as vidraçarias de Veneza foram obrigadas a se transferir para Murano. Hoje, andando pela pequena ilha, é possível admirar as casas coloridas e os pequenos canais de água, além de dezenas de lojas que vendem souvenirs em vidro, além de relógios, luminárias e joias de todos os tipos.



O Museu do Vidro, fundado em 1861, também é uma dica. Visitando o mesmo é possível admirar os mais de 700 anos de história do vidro através de maravilhosos obras de arte em vidro.


Burano

Depois de visitar Murano é hora de embarcar novamente no vaporeto e seguir em direção da Burano (cerca de 2300 habitantes). E logo na chegada não há como não se encantar com a beleza da pequenina ilha. Novamente casas super coloridas e uma vibe muito legal, que une bares, restaurantes, lojinhas e os pequenos canais.



Há uma história por trás das casinhas coloridas. Segundo a lenda, as construções eram pintadas pelos pescadores que ali residiam. Eles saíam à noite para pescar e como na região há muita neblina era preciso enxergar as suas casas. Cada uma era de uma cor, assim não havia problemas em encontrar a sua própria moradia, já que elas eram praticamente iguais.


Vista de uma das pequenas pontes em Burano.


Tanto em Burano quanto em Murano sente-se em um dos bares e restaurantes. Peça um aperitivo, como dizem os italianos, um prato típico e relaxe. Viva um dia super colorido.


Ah, opte por não ir nos meses de verão europeu. Há muitos turistas, o que impossibilita que o seu dia seja agradável. É tumultuado mesmo – assim como é em Veneza!



Agora é ficar na torcida para que logo as fronteiras dos países abram para que possamos viajar e curtir as belezas deste Itália bela!


0 comentário