Para cada vinho, uma taça



Flávia R. Busetti

@flaviarbusetti


Escolher taças é como escolher o vinho, são tantos modelos diferentes que algumas vezes ficamos em dúvida de qual seria o melhor modelo para o vinho a ser degustado.

O modelo de taças de vinho que conhecemos hoje é utilizado desde a época Medieval. Na época era elaborado, normalmente, em metais preciosos, mas, ao longo dos anos, e com a necessidade, se tornou transparente. Por volta de 1400 em Veneza os venezianos aprenderam a purificar a sua fonte alcalina e originar um vidro transparente. Após vieram os ingleses, por volta de 1600, e descobriram como deixá-lo mais resistente, fortalecendo-os com as altas temperaturas. Assim descobriram, também, como deixar as garrafas de vidro mais fortes para suportarem a pressão dos champagnes.

Originalmente as taças eram baixinhas e pequenas. E o principal motivo eram os impostos que incidam sobre o vidro. Em torno de 1800, com a isenção dessas taxas, a taça começou a ganhar formas. Sua haste ficou mais longa e o bojo maior, algumas vezes as hastes eram contorcidas, criando desenhos.


Com o passar dos anos percebeu-se que o tamanho e o formato do bojo da taça fazem com que o gosto da bebida se altere. Isso ocorre pois, dependendo do formato dela a bebida entrará em partes diferentes da boca, algumas vezes se espalha pelo palato, em outras o vinho cai apenas sobre a língua e ainda temos as que passam rapidamente sobre a boca indo direto a garganta. Isso faz com que as percepções organolépticas da bebida sejam diferentes, pois em diferentes partes da língua sentimos sensações diferentes

Assim, para uma melhor degustação do seu vinho, além da temperatura, e dos acessórios de serviço, a taça também merece a sua atenção, seguem algumas dicas:

Para espumantes:

Procure as taças flute para espumantes mais jovens, e uma taça para vinho com pouco bojuda, como da imagem, para as champagnes e espumantes de guarda.

Flute




Champagnes/ Espumantes de guarda




Vinhos tintos jovens:

Para vinhos tintos mais jovens, com uvas mais aromáticas, como a pinot noir, procure taças com um bojo grande e gargalo menor. Assim o vinho poderá oxigenar e os aromas não irão se dissipar rapidamente.




Vinhos de guarda:

Utilize uma taça de bojo médio, para que o vinho não oxigene rapidamente, e o gargalo mais fechado, para que os aromas não se dissipam




Vinhos brancos/ rosés:

Para os vinhos brancos, sempre indicamos que utilize taças de bojo médio ou pequenos, para que a bebida não esquente ao longo da degustação.



Dica: Teste taças com curvaturas diferentes no bojo para analisar as diferentes formas que a bebida entrará na boca.


Crédito da foto de abre deste texto: @spiegelau_de

Demais imagens e referências: riedel.com e spiegelau.com

Endereço

Rua Adão Mambrini, 58

Flores da Cunha, RS

CEP 95270-000

Entre em Contato

54 9 8117 0211 (whats)

portal@bonvivant.com.br

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
Atendimento

Segunda a Sexta:

9h - 18h