Radicchio di Treviso: conheça mais sobre esta iguaria italiana (parte 1/2)

Atualizado: 19 de jan.



Andreia Debon, de Treviso - @andreiadebon


Na Itália, nos meses de outono e inverno, nas prateleiras destinadas aos legumes e as verduras, seja nos supermercados, nas fruteiras ou nos mercados de rua, um produto chama a atenção pelo seu colorido e formato. É o radicchio rosso di Treviso, a verdura mais cobiçada desta época do ano, principalmente entre os vênetos. É uma variedade de chicória caracterizada pela cor roxo escuro e listras brancas. Tem uma textura crocante e um sabor delicado, que mescla amargor e doçura. Com o radicchio é possível fazer desde aperitivos até sobremesas. Enfim, é um produto que permite que qualquer entusiasta da culinária dê vazão à sua imaginação!


Plantação de radicchio Tardivo na propriedade Nonno Andrea, localizada em Villorba, Treviso.


Há duas variedades: Precoce (na imagem ao lado a primeira foto) e Tardivo (tardia, segunda foto). Ambas são cultivadas em áreas específicas das províncias de Treviso (17), Padova (2) e Veneza (5), todas caracterizadas por solos argilosos e temperaturas baixas durante o inverno. Outro elemento importante é a água, que desce fresca das Dolomites (cadeia montanhosa no norte da Itália) e forma diversos pequenos rios, um deles, e o mais famoso, se chama Silea. E são as águas do Silea que, segundo os apreciadores, o deixam crocante, saboroso e delicado.


Além disso, há uma mística em torno do seu cultivo. Isso porque, depois de feita a colheita – a partir de 20 de outubro – cada maço ou “pé” de radicchio é colocado dentro de caixas plásticas imersas em água corrente e longe da luz do sol. É ali que as as verduras são deixados por 15 dias. A falta de luz impede a produção de pigmentos como a clorofila (que colore os tecidos vegetais verdes); é por isso que os vegetais, pouco a pouco, clareiam para se tornarem brancos (metade da folha). A técnica é chamada de imbianchimento (clarear, deixar branco). A razão dessa prática, no entanto, não está apenas na variação da cor. É graças a essa técnica que o radicchio perde a maior parte do sabor amargo, até adquirir um sabor doce, enquanto suas folhas são mais macias e menos fibrosas.


Técnica do 'imbianchimento': As raízes ficam submersas na água do rio Silea, cuja temperatura regula entre 10 e 12 graus.


A verdura cultivada nessas áreas possui, desde 1996, o selo de Indicação Geográfica Protegida, o qual garante que o produto foi cultivado e embalado de uma forma que o consumidor tem a garantia da sua qualidade.

Antes de ser embalado para a venda o radicchio é lavado e organizado em caixas padronizadas.


Dezesseis empresas fazem parte do Consorzio di Tutela del Radicchio Rosso di Treviso IGP e Variegato di Castelfranco IGP, o qual é responsável promover e valorizar o produto tanto na Itália quanto no exterior. No Brasil não é possível encontrar o radicchio di Treviso fresco, somente em conserva ou trabalhado de alguma outra forma que não seja o produto in natura.


Nonno Andrea Azienda Agricola Biodiversa

O radicchio di Treviso é cultivado por dezenas de propriedades rurais na província de Treviso. Dentre essas empresas está uma que é modelo em cultivo e investimentos. Chama-se Nonno Andrea. Está localizada no interior da pequena Villorba, lugarejo localizado próximo a Treviso, cuja província leva o mesmo nome. A propriedade agrícola é chamada de biodiversa, isto é, preserva o ambiente natural no qual está inserida e protege os animais e a vida natural no seu entorno.


Paolo Manzan, proprietário da Azienda Agrícola Nonno Andrea: investimentos fortes no agroturismo para que grande parte produção seja vendida no espaço.


Nos 65 hectares são cultivados, além do radicchio, aspargos, abóboras (inclusive em novembro de 2021 a Nonno Andrea organizou uma festa para a zucca e levou mais de 100 mil pessoas à propriedade durante um mês), feijão, tomate, uvas, entre outras frutas, verduras e legumes. A maioria do que é produzido na propriedade é vendido ali mesmo, num ponto de venda organizado especialmente para atender diretamente aos consumidores e turistas. Nesse ponto de venda também são comercializados produtos como doces, compotas, biscoitos, entre outras iguarias.


O grande destaque da propriedade agrícola são os investimentos feitos para atender a uma demanda que cresce: o agriturismo. Para isso, há à disposição dos visitantes um restaurante no qual é possível tomar desde um café, até fazer refeições. Tudo o que é servido é elaborado ali mesmo com matéria-prima ali cultivada.


O espaço Nonno Andrea recebe visitantes durante todo o dia e serve pequenas refeições, todas elaboradas com produtos cultivados na propriedade.


O espaço conta com área interna e externa, nas quais também é possível fazer um happy hour com vinhos e drinks. Quem desejar também pode fazer passeios guiados para conhecer, in loco, como é cultivado o radicchio di Treviso, por exemplo. Há diversas opções e o visitante pode escolher o roteiro que mais lhe agradar. E ao final pode brindar com um spritz elaborado com um licor sabor radicchio, uma delícia!

Spritz feito com prosecco e licor de Radicchio de Treviso: leve, refrescante e saboroso!


Endereço:

Nonno Andrea Azieda Agricola Biodiversa

Via Campagnola, 72B, 31020 Villorba TV

Acompanhe as redes sociais: @nonnoandrea_


Crédito das fotos: Andreia Debon e www.radicchioditreviso.it


0 comentário